rsz_seca
19
out

Seca

Empoeirou, a cidade
Espero a chuva torrente
A lama decente
O pingo restante
Trazendo lodo, após

Espero anunciar o vento
Aquietar os ânimos
Trovar sementes no quintal
Sacudir a roupa pra caber
Mais outra no aço do varal

Empoeirou, a cidade
Esperam a chuva
Brigam esforços
Plantam sementes em vão
É tempo de escutar a senhora
O verde, o cinza, pássaros cinzas conversando

Não é tempo para verbos
Não há posse
Não há
Não

O sertão é maior que toda vaidade
Nos dois hemisférios
A disputa não consta

A cidade empoeirou
Peço a água. Peço água. Água.
E tudo que com ela for maior que nossas miudezas.
Pois não há terra que resista em sua falta.
Muito menos, homens.

Marina Ferraz

seca

Veja também

Comentários